{FP} REDGRAVE, Gwendolyn

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Mensagem por Gwendolyn B. Redgrave em Sex Dez 07, 2012 9:58 pm

---Gwendolyn---BÁTHORY----Redgrave


{Por trás do Personagem... }
    O seu criador!

Nome do Jogador: Clara, mas pode me chamar de Red (;
Idade: 14
Há quanto tempo joga em RPGs? Em quais joga/jogou? Aproximadamente um ano e meio. De Fórum, PJBR-RPG, Academia Wesker. Estou mais familiarizada com RPs de tumblr, sacomé.
Como ficou sabendo do Age Of War: Através da Lyanna
Frequência na qual entra: Durante o período de férias, diariamente. Mas pode ser inconstante.
Outros personagens: --
Forma de contato: Caso MP não baste, twitter: @dueladents.

---------------------------------------

{O Personagem}
    A estrela principal

Nome Completo: Gwendolyn Báthory Redgrave

Apelido: Para você, Lady Redgrave. Alguns poucos possuem o direito de chamá-la de Gwen. Os poucos que não temem ter seu sangue drenado ou um dos membros presos numa parede.

Grupo: Vampiros

Família: Biologicamente, Redgrave. Ainda hesita em usar o nome de seu finado marido, mas, no futuro, dará início, indiretamente, à Dinastia dos Báthory no trono.

Reino: Não gosta de jogos políticos

Arma: Seu próprio corpo, em todos os sentidos da palavra.

---------------------------------------

{Família}
    Sem ela não existimos.

Nome de Familiares: Conde Ferdinand Báthory, seu consorte, assassinado em batalha com o restante da primeira geração da Casa de Báthory; Evangeline e Erzsébet , suas filhas, dadas mortas após o cerco de seu castelo; O Clã de Redgrave, sua família de nascença.

Status Social: A Condessa Viuva de Redgrave

---------------------------------------

{Personalidade}
    Bom, ruim?

Personalidade: É perspicaz. Audaz, audaciosa, provocante, à frente de seu tempo. Não acredita na submissão feminina, crê piamente em seu destino para a glória. Trabalha por baixo dos panos. Não necessita do poder, porém não vive sem o bom e o melhor. Não é uma mulher que permite-se rugas de preocupação com as guerras, porém não teme o derramamento de sangue. Nem poderia. Misantropa, misógina, não acredita na condição humana e se vê acima dela -- E realmente está. Misteriosa, sedutora, diverte-se brincando com as mentes frágeis. À primeira vista, a aparência de uma menina inocente, uma criança para os temores da vida. Mas sua reputação não deixa dúvidas. Deixa rastros. Ganhou fama em ambas as cortes por seus gostos por homens e mulheres, não esconde sua sede por sangue. Do contrário, não revela nada. Deixa que indaguem-se sequer a existência de uma criatura tão cruel, e ainda assim, tão fascinante.

Qualidades: Inteligente, obstinada. Idealista em certos aspectos, o lado oculto de sua personalidade que o tempo não foi capaz de corromper. Tem sede por conhecimento e por experiência.

Defeitos: Desonesta, vaidosa, pode tornar-se sádica se achar que é conviniente. Calculista, sarcástica, aversa àqueles que considera indignos. Não chega a ser elitista, porem é julgadora. Associa-se com diversos tipos de pessoa, mas apenas com quem encontra alguma peculiaridade.

Desejos: Não vão além do desejo de viver. Viver em seu ápice, no ponto mais extremo que possa encontrar. Tem os desejos carnais de qualquer vampiro, e embora aprecie-os, não os deixa ficar no caminho de seu bom senso. Sua única limitação, e talvez sua maior virtude, é sua sede.

Medos: O cativeiro.

---------------------------------------

{Localização}
    Onde você está?

Onde nasceu: País de Gales, embora tenha sido levada para Hungria em seus anos mais tenros.

Onde mora atualmente: Varia entre as cortes de Kallin e Harsnok, e onde quer que seja bem-vinda. Entretanto, aprecia mudanças de horizonte. Constantemente vai às vilas, sob qualquer pseudônimo que possa pensar.

Idade: Na aparência, 17 anos. Em números reais, prefere não revelar.

Data de nascimento: No inverno de 1240. Não lembra-se da data exata, e nem pretende.

---------------------------------------

{Seu corpo}
    Tente ser sincero...

Cabelos: Caem sobre os ombros, ondas castanhas.

Olhos: São cristalinos, esverdeados, rasos, e superficiais. O formato é amendoado.

Porte físico/ peso/ altura: Esguia. Mais baixa do que seria considerado padrão. Por seu retardamento de envelhecimento, acabou por ficar presa eternamente em um corpo de adolescente, mas não permite que isso posicionem outros acima de seu próprio poder.

Marcas de nascença e/ou outros: As cicatrizes de sua transformação, e só.

Photoplayer: Felicity Jones

---------------------------------------

{História}
    Seu passado nos pertence...


Nascida há mais de um século, viu em vida mais do que a maioria pode sonhar, e mais do que gostaria. Em sua infância, tantas décadas atrás, presenciou a destruição de sua família, quando os Redgrave passaram por sua pior retaliação, política e afins. Conheceu o desespero da fome e da sede do cerco que a prendeu, junto com toda a Casa de Redgrave, em seu palácio por dois anos afim. Quando os húngaros clamaram sua casa em troca de um dívida há muito ignorada, chacinaram todos os seus familiares enquanto a mesma assistia. Seu primogênito, Ferdinand, entretanto, buscava renegar sua hereditariedade e criar uma nova dinastia, a qual chamava de Báthory. Ao encontrar a última Redgrave sobrevivente, tomou-a como sua esposa na flor de sua idade, em um ato de rebeldia contra as ordens de seu pai. Por anos, Gwendolyn sentou-se e esperou o dia que teria sua vingança. Esse sentimento, entretanto, foi atenuado quando encontrou, em seu consorte, um valoroso aliado.

Eram espertos, ambiciosos, e com o tempo, Gwen passou a aderir a seus ideias de conquista. Eram um time, amantes da estratégia e do derramamento de sangue. Foram nos cinco gloriosos anos de seu reinado de terror que deu à luz às suas duas filhas, Evangeline e Erzsébet. Ambas tomadas de seu leito na noite em que a rebelião de Ferdinand finalmente deu seu tiro pela culatra. As dinastias que havia atacado uniam-se em seus portões, destruíam tudo. E foi assim que, novamente, Gwendolyn viu-se refém do acaso. Fugira. Erzsébet foi a primeira a morrer, arrancada de seus braços enquanto tentava escondê-la. Evangeline, a mais velha, foi atirada da torre. Seu marido definhava no campo de batalha, suas filhas viam suas vidas despedaçadas. Num golpe de pânico, atirou-se ao rio. Tentava acabar com sua existência. Seria pior se vivesse. Mas o acaso jogou suas cartas novamente, e foi salva por uma criatura magnífica. Respirava morte, bebia sangue como um animal. No futuro, tornaria-se seu criador.

Não tardou para que o relacionamento entre Gwen e seu salvador tornar-se íntimo. Foi transformada pouco depois. Estagnada aos 17 anos de juventude, para sempre.

Viu o horizonte se abrir. Seu criador ensinou-a tudo que sabia. Quando seus caminhos se separaram, Gwen percebeu que deveria voltar a se esconder. Retomando o nome de Redgrave para fugir de seus captores, mantém apenas a inicial "B". Quando perguntada, tem o costume de responder sempre com uma família diferente. Passou anos andando pelo mundo, do Ocidente, à Bretanha, aos reinos em guerra de Kallin e Harsnok. Ganhou renome por meio das conexões, fazendo pequenos trabalhos para ambas dinastias e não tomando lados definitivos, não se intrometendo em suas cruzadas, desde que lhe garantam bem-estar e proteção. Bem-estar passageiro, proteção que não precisa. Mas deixa-os pensar o que quisesse. Só tem a ganhar com a ignorância de nobres.

---------------------------------------

{Teste de ação}
    Testando suas habilidades...

Só saía ao poente quando era de vital importância.

Não arriscaria sua pele aos temores do sol. Para a surpresa de muitos, e haveriam homens que ainda ousariam duvidar, Gwendolyn Redgrave temia a morte. Conhecia seus limites, embora jamais admitiria. As bruxas do Coven a inquietavam. Desconhecia o alcance de seus poderes tanto quanto apresentava um mistério para as mesmas. Preferia não mexer com o desconhecido, esperar que viesse para si.

E geralmente vinham.

Sentava-se nas sombras, os olhos cobertos enquanto as últimas arestas de luz tocavam o chão úmido. Detestava cada momento. Não deveria estar ali, tampouco apreciava. Andara pelos reinos do velho Harsnok pelas últimas luas, provando de sua hospitalidade indiferente e de do sangue de seus criados mais jovens. Eram fáceis de controlar. Queria desafios. Queria uma ninfa, um cavaleiro, algum caçador obstinado que pudesse driblar e se aproveitar. Tinham o sangue mais grosso, o mais denso. E também o mais difícil de obter.

Eram todo o desafio que precisava.


---------------------------------------
thanks, @


Última edição por Gwendolyn B. Redgrave em Sab Dez 08, 2012 1:17 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Informacion
Mensagens : 16
Data de inscrição : 07/12/2012
Localização : Atrás de você.
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem por Carolinne Harvelle em Sab Dez 08, 2012 1:07 pm
Ficha Aprovada

Seja bem vinda,Gwendolyn!
Meio trágica sua história,mas ficou boa.Lembre-se que não existia a ideia dos países como temos hoje na época em que o jogo se passa.
Espero que se divrta por aqui,precisando de algo só chamar!
Att.:Carolinne
avatar
Informacion
Mensagens : 367
Data de inscrição : 20/07/2011

Ficha do personagem
Raça:
Classe::
Ofício:
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Informacion